Wishlist de aniversário!
Monday April 18, 2016 | Pessoal

Sempre quis fazer uma wishlist, mas a preguiça ganha de mim toda vez, só que esse ano vai rolar :D
Dia 22 de abril eu faço 27 anos [mas me sinto como se tivesse 37, talvez 47]. Ando cada vez mais chata pra tudo – e todos. Então, enfim, chega de blábláblá.

Bom, começando pelo começo… Esses três itens abaixo são da loja Disturbia.co.uk, que gosto demais e já tenho algumas peças deles. Inclusive, um dos meus vestidos preferidos é bem parecido com o último da lista: o Wednesday Dress, que tem um pentagrama invertido estampado nas costas, gola arredondada e tem manga curta.
Wishlist Disturbia

Daughters Dress // Strapped Briefs // Thursday Dress


Já aqui, temos a Killstar.com, que também gosto muito e tenho umas roupinhas deles. E, nossa, que coisa! Fazendo essa lista eu reparei em como eu estou na “fase” de usar vestidos, peça de roupa esta que nunca fui muito fã. Sempre me achei meio gordinha pra usá-los, e hoje: foda-se, me sinto linda-destruidora neles.
Wishlist Killstar
Pentagram handbag // Pentagram earrings // Dana Skater dress // Bad Habits dress


Agora as make das miga!
Mas, hein, olha… Eu, como disse no profile ali ao lado, não entendo nada de maquiagem, mas eu amo um batom matte, e se tem algo nessa vida que sei fazer direito, essa coisa é: passar batom. Nunca imaginei que minha mão pudesse ser tão firme dessa forma.
A Pretty Zombie Cosmetics é magnífica! Os batons são de uma qualidade bárbara, e além de tudo: são vegans! Eu tenho dois deles, o 3 Witches e o Purple Poison. E estarei desejando mais estas duas belezinhas aqui:
Wishlist Pretty Zombie Cosmetics
Tombstone lipstick // Transylvania lipstick

Reflexão

Eu sempre me vesti assim, de preto, renda, pentagramas, cruzes invertidas, tudo prateado e nada dourado, essas coisas etc e tal, mas hoje em dia isso anda tão comum entre as meninas ditas “góticas suaves” que tem me irritado. É uma vontade absurda de parecer bruxa, que… Olha. Não quero nem falar sobre isso.
Reflexão 2: Viram só? Estou virando uma velha chata insuportável que nem deixa os jovens em paz.

3 comentários


Turismo Macabro #3 – San Bernadino alle Ossa
Monday April 4, 2016 | Itália, Turismo Macabro, Viagem

San Bernadino alle Ossa

Fomos à Milão passar o final de semana (fui pra um festival, na verdade, risos), e resolvemos ir novamente à Chiesa di San Bernardino alle Ossa, que fica pertinho da catedral da cidade. Estive lá a pouco mais de um ano, mas como as fotos ficaram bastante ruins, decidi tirar fotos novas pra esse post. E na verdade não adiantou muito, pois o lugar além de pequeno, tem uma luminosidade bastante ruim.

San Bernadino alle Ossa

Como a maioria dos ossuários na europa, ele surgiu por causa da falta de espaço no cemitério local, em 1210. A sala-ossuário é basicamente composta por crânios e tíbias, de pessoas que morreram de causas naturais no antigo hospital Brolo.

San Bernadino alle Ossa

Em 1642 a torre deste local desabou deixando tudo em ruínas, inclusive a igreja que foi construída ao lado. A reforma e renovação do local foi terminada em 1695, e ela existe até hoje, logo após seu teto foi pintado por Sebastiano Ricci.

San Bernadino alle Ossa

No ano de 1738 o então rei de Portugal, Giovanni V, fez uma visita à Milão e ficou tão impressionado com a idéia e beleza do ossuário, que resolveu reproduzir detalhamente o mesmo em Evora, uma cidade próxima a Lisboa.

San Bernadino alle Ossa

Dos ossuários que visitei, esse não entra no meu Top 5. Não é como o ossuário de Kutna Hora ou as Catacumbas de Paris, por exemplo. No ossuário de Milão sinto a religião muito mais presente, sinto uma santidade muito maior do que nesses dois outros que citei, e não é novidade nenhuma pra ninguém que eu gosto de escuridão trevas blasfêmia culto à morte, risos.

San Bernadino alle Ossa


Informações: site oficial
Endereço: Carlo Giuseppe Merlo 4, 20122 – Milano, Italy
Aberto: De segunda a sexta da 1:00pm às 6:00pm. Domingo e sábados das 7:30am às 12:00pm.
Valor: €0,50
Outros: Telefone: +39 02 7602 3735. O segurança do local não fala inglês, mas há um folheto com a história do local nesta língua.

1 comentário